Federico Baudelaire - Viagens IN Sanas pelo paraíso das Metrópolis


07/07/2006


cidadão drummundo

 

tem duas meninas aqui

famintas mortas de  fome

querem me cumer a qualquer preço

uma quer saber meu paradeiro

a outra quer descobrir meu endereço

elas pensam que sou curitibano

e querem me pegar por trás dos panos

eu que nasci em fevereiro

tem anos que não estou no calendário

e nem tem dia pro meu aniversário

não quero me casar com essas meninas

e perder o meu estado de solteiro

se existe deus no céu que me ilumina

eu quero é dar pro mundo inteiro

 

federico baudelaire

http://federicobaudelaire.zip.net

http://ladygumes.zip.net

http://babycadelinha.blogspot.com

 

 

Escrito por Federico Baudelaire às 11h02
[ ] [ envie esta mensagem ]

06/07/2006


jade

análise sintática: tiro oculto na gramática

 

fosse apenas um homem

e eu quisesse um deus

um anjo um sábio

diabo de 5 letras

a pimenta do planeta

estrela cadente: cometa

retalhos imortais do serAfim

e black billy implorando

: coloca teu amor

dentro de min

 

baby cadelinha

http://babycadelinha.blogspot.com

http://balckbilly.blogspot.com

http://federicobaudelaire.zip.net

http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=1864412

http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=4899090

http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=5674810

 

 

 

Escrito por Federico Baudelaire às 07h28
[ ] [ envie esta mensagem ]

05/07/2006


 

Exaltação

Viver!...Beber o vento e o sol!...Erguer
Ao Céu os corações a palpitar!
Deus fez os nossos braços pra prender,
E a boca fez-se sangue pra beijar!

A chama, sempre rubra, ao alto, a arder!...
Asas sempre perdidas a pairar,
Mais alto para as estrelas desprender!...
A glória!... A fama!... O orgulho de criar!...

Da vida tenho o mel e tenho os travos
No lago dos meus olhos de violetas,
Nos meus beijos extáticos, pagãos!...

Trago na boca o coração dos cravos!
Boemios, vagabundos, e poetas:
Como eu sou vossa Irmã, ó meus Irmãos!...

Florbela Espanca

Escrito por Federico Baudelaire às 13h18
[ ] [ envie esta mensagem ]

03/07/2006


Tecidos sobre a pele

 

ó terra incestuosa

de prazer e gestos

não me prendo ao laço

dos teus comandantes

só me enterro à fundo

nos teus vagabundos

com um prazer de fera

e um punhal de amante

 

usina mói a cana

o caldo e o bagaço

usina mói o braço

a carne o osso

usina mói o sangue

a fruta e o caroço

tritura suga e torce

dos pés até o pescoço

e do alto da casa grande

os donos do engenho controlam

o saldo e o lucro

 

artur gomes

in fulinaíma sax blues poesia

http://arturgomes.zip.net

www.fulinaima.com.br

 

 

 

Escrito por Federico Baudelaire às 11h01
[ ] [ envie esta mensagem ]
Busca na Web: